Bhagavad Gita: 16. Qualidades Divinas E Demoníacas

Image

Uma Lista Das Maiores Qualidades Divinas Que Devem Ser Cultivadas Para A Salvação

O Senhor Krishna disse: destemor, pureza da psique interior, perseverança no yoga do auto-conhecimento, caridade, bom-senso, sacrifício, estudo das escrituras, austeridade, honestidade, não-violência, veracidade, ausência de ira, renúncia, equanimidade, abstenção de conversas maliciosas, compaixão para com todas as criaturas, livre da ambição, delicadeza, modéstia, ausência de instabilidade, esplendor, perdão, coragem, limpeza, ausência de malícia, e ausência de orgulho – estas são algumas das qualidades daqueles favorecidos com virtudes divinas, Ó Arjuna (16.01-03).

Não se deve condenar ninguém, nem glorificar a si mesmo (MB 3.207.50). Nós devemos tratar os outros do mesmo modo que gostaríamos de sermos tratados pelos outros (MB 12.167.09). A pessoa de natureza demoníaca precisa ser tratada e controlada de modo diferente de uma pessoa de natureza divina (MB 12.109.30). Ninguém é perfeito. As pessoas fazem coisas porque elas não sabem algo melhor, então, nós não devemos censurá-las. Nós todos pagamos o preço por aqueles atos de ignorância. Falar mal dos outros é o mais odioso pecado. Não veja as faltas dos outros; melhore seus próprios defeitos até que você se torne esclarecido.

Não se deve falar, escutar sobre, ou mesmo, pensar nas falhas e nos defeitos dos outros; então, procure suas próprias falhas e corrija-as. Amar o impossível de ser amado, ser amável com o cruel, e ser agradável com o desagradável, é realmente divino. É dito que nós deveremos prestar contas de como tratamos os outros.

Avaliar pode, também, criar problemas se esquecermos que as pessoas possuem valores diferentes; “meus” valores serão diferentes para os outros; um conflito de valores entre indivíduos arruínam os relacionamentos. Na prática, as vezes dois valores de uma mesma pessoa, também, conflitam. Por exemplo, se mentindo salvamos uma vida valiosa, não se poderá dizer a verdade. Não devemos nos apegar cegamente aos valores, porque eles não são absolutos. Nós não devemos zombar de qualquer idéia nem julgar os outros por seus próprios padrões, porque a unidade fundamental da variedade é o plano do criador.

Todos os tipos de pessoas constituem este mundo. Deseja-se mudar os outros porque se quer ser livre, mas isto jamais funciona desta maneira. Se você aceitar os outros totalmente, e de modo incondicional, somente assim, então, você será livre. As pessoas são o que elas são, porque elas têm suas próprias experiências de fundo, elas não podem ser de outra forma (Swami Dayanana). Você pode amar o seu parceiro e não gostar dos atos dela ou dela. Nossos

inimigos podem tornar-se nossos amigos se permitirmos que eles o sejam. Se você quer fazer um inimigo, tente mudar alguém. As pessoas somente irão mudar quando for mais difícil sofrer do que mudar. Ninguém está na posição de desqualificar o estilo de vida dos outros, pensamentos ou idéias. A evolução na escada da perfeição é um lento e difícil processo. Não é tarefa fácil livrar-se das impressões kármicas do passado, mas devemos tentar. Mudamos pelos nossos próprios esforços, e quando a graça de Deus chega, e não antes. Também, a manifestação da energia primordial, consciência, é diferente nos diferentes seres. Então, procure reconciliar-se com todos no universo, e todo o universo irá tornar-se seu amigo. Ramakrishna disse: quando brota a divindade, a fraqueza humana desaparece de próprio acordo, assim como as pétalas caem fora em silêncio, quando dentro da flor brota o fruto.

Nós mortais estamos sem saída, amarrados como gado pela corda dos desejos latentes, nascidos das nossas impressões kármicas. Esta corda pode ser cortada somente se usarmos a faca do intelecto, a dádiva de Deus, que os animais não possuem. Um tigre é controlado é pelo instinto de matar, e está preso neste. Os seres humanos são favorecidos com o intelecto, e o poder do raciocínio, através dos quais SE pode, lenta e firmemente, cortar a corda. Falhamos no uso do intelecto, e do raciocínio, devido a ignorância. Os inimigos não são outra coisa do que o outro lado de nós mesmos. Às vezes o intelecto é retirado pelo truque da divina energia ilusória (Maya) antes do amanhecer do surgimento da adversidade. Devemos usar o intelecto, o precioso divino presente para os seres humanos, para analisarmos a situação. Não há outra maneira de ficar fora do vicioso circulo de Maya.

Ninguém pode ferir alguém que não faz violência para os outros, por pensamentos, palavras ou obras (VP 1.19.05). Mesmo um animal (que achamos) violento não ataca àqueles que praticam a não-violência, por pensamentos, palavras o obras (MB 12.175.27). Aquele que não faz violência, para qualquer criatura, consegue o que deseja, e se torna bem sucedido em todas as disciplinas espirituais, sem demasiado esforço (MS 5.47).

O maior usa a menor forma de vida como alimento para sustentar-se (MB 12.15.20). No seu sentido absoluto, é praticamente impossível utilizarmos a prática da não-violência, ou qualquer outro valor deste tipo. Mesmo um fazendeiro utiliza alguma coisa que mata os insetos e as lagartas. A prática da não-violência para com todas as criaturas é um meio para nossa própria na escada da perfeição. Exige-se apenas uma quantidade mínima de violência para a vida prática do dia-a-dia. A determinação de um mínimo de violência, é, certamente, muito subjetiva. A violência jamais deverá ser usada a serviço de um rancor pessoal. Deve ser usada para defender o fraco ou para manter o Dharma (ordem, ou justiça).

Uma Lista Das Qualidades Demoníacas Que Se Deve Abrir Mão Antes De Podermos Iniciar A Jornada Espiritual

Ó Arjuna, o sinal daqueles que nascem com qualidade demoníacas são: hipocrisia, arrogância, orgulho, ira, perversidade e ignorância (16.04).

É prática universal o retorno do favor – de um jeito ou de outro – para aqueles que têm ajudado os outros (VR 5.010.113). Uma pessoa mal agradecida é uma pessoa perversa. Devemos abandonar semelhante pessoa (MB 12.168.26). Não há reparo para aqueles que não sentem gratidão neste mundo (MB 12.172.25). diz-se que mesmo os carnívoros não comem a carne de uma pessoa mal agradecida (MB 5.36.42). Deve-se sentir e expressar autêntica gratidão se alguém aceita alguma coisa de outra pessoa.

As divinas qualidades conduzem à salvação, e as qualidade demoníacas para o cativeiro. Não sofra, Ó Arjuna – você nasceu com qualidades divinas (16.05).

É muito difícil de se livrar dos hábitos pecaminosos; portanto, devemos sempre evitar os atos pecaminosos e praticar boas ações (MB 3.209.41). Moralidade fundamental é a espinha dorsal da vida espiritual. O auto-conhecimento sem as virtudes morais é incompleto como o alimento sem sal.

Há Somente Dois Tipos De Seres Humanos: O Sábio E O Ignorante

Há somente dois tipos (ou castas) de seres humanos neste mundo: o divino ou sábio, e o demoníaco ou ignorante. O divino será descrito no final; agora, ouça de Mim sobre a os demoníacos, Ó Arjuna (16.06).

O auto-conhecimento se manifesta com qualidades divinas, e a ignorância como qualidades divinas. Aqueles que estão sintonizados com o plano cósmico possuem qualidades divinas. Aqueles que estão sem sintonia com o plano divino possuem qualidades demoníacas. Aqueles que agiram de forma piedosa nas suas vidas passadas nascem com qualidades divinas, e aqueles que foram pecaminosos na vida anterior nascem com qualidades demoníacas.

As pessoas de natureza demoníaca não sabem o que se deve ou não se deve fazer. Elas não possuem nenhuma pureza, boa conduta, nem honestidade (16.07).

Elas dizem: o mundo é irreal, sem um substrato, sem Deus, sem ordem; e que a união sexual do homem e da mulher por si só, e nada mais, é a causa do mundo (16.08).

Juntando-se a estas (e outras) deformadas e diabólicas visões – estas almas degradadas – com fraco intelecto e ações cruéis – nascem como inimigos para destruir o mundo (16.09).

Cheios de insaciáveis desejos, hipocrisia, orgulho, e arrogância; mantendo visões erradas devido a ilusão – eles agem com motivos impuros (16.10).

Obcecados com ansiedade sem fim até a morte, considerando a gratificação dos sentidos o objetivo mais elevado deles, e convencidos que o prazer dos sentidos está em tudo; (16.11).

Atados por centenas de nós de desejos, e escravizados pela luxúria e ira, eles aspiram por receber riquezas por meios ilegais, para a satisfação dos prazeres sexuais. Ele pensam: (16.12).

Isto foi ganho por mim hoje; eu irei realizar este desejo; eu tenho mais riqueza e terei muito mais no futuro; (16.13).

Esse inimigo foi morto por mim, e eu irei matar outros também. Eu sou o Senhor. Eu sou o desfrutador. Eu sou bem-sucedido, poderoso e feliz; (16.14).

Eu sou rico e nasci numa nobre família. Quem se equivale e mim? Eu irei realizar sacrifícios; eu darei caridade, e eu irei desfrutar. Assim, iludidos pela ignorância, (16.15)

Confundidos com muitas faces, embaraçados na rede de ilusão, dedicados ao desfrute dos prazeres sexuais, eles caem dentro do inferno (16.16).

Auto-convencidos, teimosos, cheio de orgulho e intoxicação pela riqueza, eles realizam serviços somente em nome da fama, e não de acordo com as injunções das escrituras (16.17).

Estas pessoas maliciosas apegam-se ao egoísmo, poder, arrogância, luxúria, e ira; e eles negam a Minha presença em seus próprios corpos e nos corpos dos outros (16.18).

O Sofrimento É O Destino Do Ignorante

Eu jogo estes inimigos, estas pessoas cruéis, pecadoras e malvadas, no ciclo de nascimentos e mortes, no ventre de demônios (ou pais degradados), repetidamente, de acordo com os seus karmas (16.19).

Ó Arjuna, entrando no ventre de demônios, nascimento após nascimento, os iludidos afundam no mais baixo nível sem nunca alcançar-Me (até suas mentes se voltarem para proteção de Deus, sob Minha misericórdia sem causa) (16.20).

Uma interminável guerra entre as forças do bem e do mal estão em andamento em cada pessoa viva. Pega-se um nascimento para descontaminarmos as qualidades demoníacas que bloqueiam o portão da realização em Deus. Deus aparece somente após o nosso demônio interior estar completamente subjugado. O Espírito não possui qualquer das três qualidades da natureza material. Estas qualidades apenas pertencem ao corpo e a mente. As escrituras dizem: a divina energia ilusória (Maya) cria a multiplicidade de pares de opostos, como o bem e o mal, perda e ganho, prazer e dor, esperança e desespero, compaixão e apatia, generosidade e avareza, perseverança e apatia, coragem e covardia, amor e ódio, mérito e demérito, e divinas e demoníacas qualidades. Eles não possuem, qualquer que seja, existência. Portanto, é sábio não apontar qualquer mérito ou demérito nas pessoas (BP 11.19.45; TR 7.41.00).

Luxúria, Ira E Avareza São Os Três Portões Do Inferno

Luxúria, ira e avareza são os três portões do inferno, que conduzem o indivíduo para a queda (ou cativeiro). Então, aprenda como abandoná-los (16.21).

O Upanishad diz: Um portão de ouro (da luxúria, ira, avareza, ilusão, desilusão, e apego) bloqueia a passagem para Deus (IsU 15). Este portão pode ser aberto apenas pela centralização dos esforços individuais. Luxúria, ira e avareza controlam a entrada dos seres humanos no paraíso, e conduzem para os portões do inferno. Luxúria, ira e avareza somem da mente apenas após a descoberta de que não existe “Eu” e “meu”. A incontrolável avareza por posses materiais

da moderna civilização pode destruir o proprietário por destruir o meio-ambiente natural, o verdadeiro suporte da vida e civilização.

O desejo egoísta ou luxúria é a raiz de todo o mal. Desejos mundanos são também se originam das qualidades demoníacas. Estas demoníacas ou negativas qualidades, tais como a ira, avareza, apego, orgulho, inveja,ódio, e a fraude, nascem dos desejos e são também chamados de pecados. Os desejos, quando realizados, trazem mais desejos, gerados pela avareza. Os desejos não realizados causam ira. A ira é uma insanidade temporária. As pessoas realizam atos pecaminosos quando elas estão iradas. Aqueles que agem com ódio sob palavras de ira, arrependem-se mais tarde. A ignorância metafísica é a responsável pela luxúria; portanto, a luxúria pode ser removida apenas pela aquisição do auto-conhecimento. A luxúria também obscurece o auto-conhecimento, como uma nuvem cobre o sol. Deve-se aprender a controlar os desejos com contentamento, e a ira com perdão. Aqueles que superam os desejos, realmente, conquistam o mundo, e vivem a paz, a riqueza, e a felicidade da vida.

Aquele que se libera destes três portões do inferno, Ó Arjuna, fazem o que há de melhor, e conseqüentemente, Me alcançam (16.22).

Luxuria, ira e avareza são os comandantes do exército da ilusão (Maya) que devem ser vencidos antes de ser possível a salvação. A melhor via para nos tornarmos livres das qualidades demoníacas é seguir quaisquer um dos caminhos discutidos no Gita, bem como outras injunções das escrituras sagradas.

Devemos Seguir As Injunções Das Escrituras

Quem quer que atue sob a influência dos desejos, desobedecendo as injunções da escrituras, jamais alcança a perfeição, nem a felicidade, nem a Morada Suprema (16.23).

O mundo torna-se cheio de doçura e beatitude para todos aqueles que vivem suas vidas de acordo com as leis das escrituras (RV 1.90.06). Uma escritura sagrada é um plano para a sociedade. Ela trata com cada aspecto da vida e estabelece as regras de fundo para o desenvolvimento apropriado de todos os homens, mulheres, e crianças. Por exemplo, Manu disse: as mulheres devem ser honradas e adornadas. Onde as mulheres são honradas, os controladores celestes ficam satisfeitos. As mulheres devem ser amadas e protegidas das tentações demoníacas dos homens. Os pais de uma mulher a protegem na infância, seu marido na juventude, e seus filhos na sua velhice (MS 3.56). Coragem, retidão (Dharma), amigos, esposas – estes quatro são testados apenas durante a adversidade. Ser devotado – em pensamentos, palavras e obras – um para o outro, deverá ser a única religião, o único juramento, e a única obrigação de

um esposo e esposa. A Bíblia diz: os homens devem amar a suas esposas como a si próprios, e a esposa deverá respeitar a seu esposo. Respeitai-vos, e submetei-vos a vós próprios um para o outro na fé de Deus (Efésios, 5.21-33). De qualquer modo, homem e mulher são conduzidos por diferentes regras no drama cósmico; então, suas necessidades e temperamentos são diferentes.

Não se deve encontrar falhas ou criticar qualquer que seja a escritura sagrada, porque as escrituras são a pedra fundamental do reto-agir (Dharma), e da ordem social. Pode-se pegar nome, fama, paz e salvação pelo justo seguir das escrituras (MS 2.09). O estudo das escrituras mantém a mente absorvida em pensamentos elevados e são uma disciplina espiritual para o individuo. Somos libertos, por intermédio da prática da verdade das escrituras, e não pelo mero elogio a elas. O guru Nanak disse: aquele que prega para os outros mas não realiza semelhante prática, irá sempre pegar um novo nascimento.

Permita Deus, o Bhagavad-gita, e o guru mostrar para nós o caminho da iluminação. As pessoas não podem ser salvas por falar do divino, poder ilusório (Maya), apenas pelo uso de suas próprias visões. ]Devemos seguir as escrituras com fé, especialmente nesta era quanto é muito difícil encontrar um guru verdadeiro. Aderir aos altos ensinamentos das escrituras irá impedir todo o mal e nos trará o bem. Se uma ponte está construída, mesmo uma formiga pode facilmente cruzar o rio, não importa se é um rio grande. De modo similar, as escrituras são como pontes para cruzar o rio de Maya. Então, devemos sempre seguir a guia de uma pessoa que é bem versada nas escrituras, como dito pelo Senhor no seguinte verso:

Então, deixe as escrituras ser seu guia na determinação do que deverá ser feito e o que não deverá fazer. Você deve realizar suas obrigações seguindo as injunções das escrituras (16.24).

Os Dez Mandamentos do Hinduismo, de acordo como sábio Patañjali (PYS 2.30-2.32), são: (1) não-violência; (2) honestidade; (3) não-roubar; (4) celibato ou controle dos sentidos; (5) não-avareza; (6) pureza de pensamentos, palavras e ações; (7) contentamento; (8) austeridade ou renunciação. (9) estudo das escrituras e (10) rendição a Deus com fé e amor devocional.

Compare-os com os dez ensinamentos básicos da Bíblia: (1) vós não devereis matar; (2) não mentir; (3) não roubar; (4) não cometer adultério; (5) não cobiçar; (6) não se divorcie de sua esposa; (7) faça aos outros o que você quer que eles façam para você; (8) se lhe derem um tapa numa face dê-lhe a outra; (9) amar a teu próximo como a ti mesmo, e (10) amarás o Senhor de todo o teu coração.

As oito nobres caminhos do Budismo são: reta visão, reto pensar, reto falar, reto agir, reto meio de vida, reto empenho, reta determinação, e reta meditação. Abstenção de todo o mal; realização de boas ações, e purificação da mente é a doutrina de Buddha.

Os cinco princípios cardeais do Islamismo são: (1) fé em Deus, na Sua mensagem, e nos Seus mensageiros; (2) Meditação e oração pela glória, grandeza, e mensagem de Deus pelo

crescimento espiritual; (3) ajuda aos outros concedendo caridade; (4) austeridade e auto-purificação pelo jejum no mês do Ramadan; e (5) peregrinação para lugares sagrados.

Todos os grandes mestres deram para nos a Verdade revelada pelo Supremo. Krishna nos ensinou o sentimento espiritual de unidade pela visão da divindade em tudo e em todos. Buddha ensinou-nos a purificação de nós mesmos e a termos compaixão com todas as criaturas. Cristo nos convidou a amaros a todos os seres bem como a nós mesmos. Muhammand ensinou-nos a submetermos nossos desejos para Deus e agirmos como Seus instrumentos.

Em algumas religiões, de qualquer forma, somente os membros particular da seita são considerados favoritos de Deus, e outros são considerados infiéis. Os Vedas ensinam não apenas a mera tolerância religiosa, mas a aceitação de todas as outras religiões e profetas como análogos de sua própria. Os Vedas dizem: permitais-vos os pensamentos nobres chegaram por toda a parte (RV 1.89.010) os ensinamentos de diferentes religiões são como diferentes expressões do Supremo. Eles devem ser respeitados, e não devem ser vistos como instrumentos de discórdia. A dignidade e o bem-estar da humanidade descalçam na unidade das ração e religiões (Swami Harihar). O verdadeiro conhecimento da religião rompe todas as barreiras, incluindo as barreiras entre fés (Gandhi). Toda a religião que põe obstáculos de conflitos e ódio entre as pessoas em nome de Deus não é uma religião, mas uma política egoísta disfarçada. Nós não temos o direito de criticar qualquer religião, seita ou culto de qualquer jeito. As diferenças de interpretação humanas das escrituras – a voz transcendental – são devidas ao sentido literal, preconceito, ignorância, tomar as linhas fora do contexto, bem como a uma distorção, má-interpretação, e interpolações com motivos pessoais egoístas.